A Federação Colombiana de Futebol (FCF) negou oficialmente nesta terça-feira ter oferecido o cargo de técnico da seleção do país a Luiz Felipe Scolari para substituir o argentino José Pekerman.

A FCF “se permite informar que não está buscando ao técnico Luiz Felipe Scolari para dirigir a seleção nacional”, informou a entidade via sua conta no Twitter.

Felipão, pentacampeão do mundo com o Brasil na Copa do Mundo de 2002 e atualmente no comando do Palmeiras, havia dito em dezembro que tinha recebido uma proposta da Colômbia, mas que precisava pensar “com clareza” antes de tomar uma decisão.

Nesta terça-feira, ao comparecer diante da imprensa pela primeira vez no início da pré-temporada, Felipão fechou as portas para uma saída do Palmeiras, afirmando que seguirá no comando do atual campeão brasileiro, apesar da insistência da federação colombiana.

“Eu disse que não iria sair. Parece que a Colômbia não entendeu que não vou sair (…) Não é questão de valores apenas”, declarou o treinador brasileiro.

Diante das declarações de Felipão, a FCF se defendeu, afirmando que “parabeniza sua decisão de seguir no Palmeiras, já que aqui não há nenhuma proposta de trabalho”.

A busca por um substituto para o argentino Pekerman, que deixou a seleção colombiana após classificar e disputar as Copas do Mundo do Brasil e da Rússia com a equipe, provocou uma chuva de rumores na imprensa local.

A federação informou que irá nomear um novo técnico antes da Copa América-2019, que será disputada de 14 de junho a 7 de julho no Brasil.

Segundo a imprensa local, o mais cobiçado para o cargo é o português Carlos Queiroz, atual técnico do Irã, que assinaria com a Colômbia ao fim da participação da equipe persa na Copa Asiática, que está sendo disputada nos Emirados Árabes Unidos.