O técnico espanhol Unai Emery avaliou em entrevista ao jornal Marca, nesta quinta-feira, que o Arsenal precisava mudar e dar uma sacudida após o fim da passagem de 22 anos de Arsène Wenger pelo comando do Gunners.

“Hoje em dia é muito difícil um técnico resistir 22 anos. Era necessário mexer as cadeiras em todos os níveis do clube. E não por negligência anterior, mas para voltar a estimular a todos: sacudir, varrer debaixo dos tapetes, abrir as janelas… No plano positivo”, disse Emery em sua primeira entrevista desde que assumiu o time inglês.

O espanhol afirmou que não falou com Wenger sobre o time. “Encontrei uma vez com ele e pouco mais… Eu o respeito muito, mas por muita informação que me desse eu precisava mudar as coisas”, indicou.

“Falei aos jogadores: começamos no quilometro zero. Inclusive agora, quatro meses depois, ainda digo”, acrescentou Emery.

O treinador explicou que quer combinar a solidez defensiva do Arsenal anterior ao período de Wenger, com a alegria no ataque que o time do francês apresentava.

Após os êxitos com Wenger, “com o tempo se cuidou apenas da qualidade técnica e da liberdade ofensiva, perdendo a estrutura defensiva. O que eu quero é unir ambas essências e ser mais competitivo”, afirmou o técnico espanhol.

“O Arsenal estava que queda. Tínhamos que reverter e começar a subir”, garante Emery. “Quero fazer um time que saiba jogar com espaços, para poder contra-atacar, ou sem espaços, buscando criá-los com pausa. Estamos nisso: criar uma ideia, um estilo e ser competitivos”, concluiu.